Estudo feito em dez restaurantes do Rio de Janeiro propõe redução do desperdício

Dados foram levantados para projeto piloto da Unep, braço de meio ambiente da ONU

RIO — O que se verá na próxima quinta-feira no Green Rio — feira de produtos orgânicos e sustentáveis que começa nesta quarta-feira, no Jardim Botânico — será um prato cheio. E que não poderá ser desperdiçado. Lá serão apresentados os dados levantados para um projeto piloto do United Nations Enviromental Program (Unep), braço de meio ambiente da ONU, que vão gerar o desenvolvimento da receita de um sistema de reaproveitamento de resíduos de alimentos em dez restaurantes cariocas. Estes estabelecimentos abriram suas portas (e cozinhas) aos pesquisadores no ano passado. E agora verão sair do forno conclusões como a de que os fatores que mais influenciam no desperdício de comida são condições inadequadas de armazenamento, espaço físico insuficiente, disposição inadequada das mercadorias e temperatura fora do preconizado. A ideia é levar conclusões como estas a fermentar políticas de melhor aproveitamento dos alimentos que beneficiem não apenas esses restaurantes, mas escolas, por exemplo. E não só no Rio, mas em outros estados e países.

A relação dos dez restaurantes não pode ser divulgada ainda, pois todos pediram confidencialidade. Eles foram os únicos de uma lista de cinquenta que receberam mensagens eletrônicas com o convite para participar e toparam o desafio de serem acompanhados e auditados. Ao longo do ano passado, todos receberam três pessoas , durante dois ou três dias, dependendo do caso, para acompanhar um dia de trabalho. Os pesquisadores analisaram desde a preparação dos pratos, passando pela montagem de cada um, até que fossem servidos e, posteriormente, retirados da mesa.

— Os pratos eram pesados tanto antes de irem para a mesa quanto quando voltavam. E também pesquisamos o que era feito com as sobras. É um trabalho muito chato por um lado. Mas, por outro, muito legal pelos resultados — explica Maria Beatriz Martins Costa, criadora do portal Planeta Orgânico e responsável pela Green Rio, acrescentando que as conclusões podem levar à otimização do processo, como economizar energia no cozimento, além de evitar desperdício. — Muito do desperdício fica na pré-produção e pode ser diminuído. As partes dos ingredientes que sobram podem ser utilizadas para fazer o sopão de uma escola, por exemplo. O pessoal do Sebrae, que foi nosso parceiro, assim como o Senac, está super interessado nesses resultados, pois pode usá-los de muitas formas, como na compostagem dos resíduos para hortas em escolas.

Há mais de dez anos militando pela causa dos alimentos orgânicos, Maria Beatriz conta que foi procurada pela Unep para desenvolver a campanha mundial "think, eat, save" (que eles traduziram como "pensar, comer, conservar") e ajudar a desenvolver o projeto piloto no país, o primeiro da América Latina a fazer algo do gênero.

— A gastronomia é um ótimo formador de opinião quando assunto são os produtos orgânicos. Esta é uma aproximação que cultivo há anos. Em 2003 já havíamos feito um seminário no Garcia & Rodrigues. Na época, incentivávamos os estabelecimentos a comprar diretamente de produtores, mas ainda não explorávamos o viés dos resíduos — relembra ela, que usou como base para o estudo a metodologia de uma pesquisa feita na Inglaterra, adequada aos parâmetros brasileiros. — A Unep ficou super satisfeita, pois os resultados servirão de base para novos pilotos. Os próximos passos serão definidos em reunião com representantes do Sebrae-Rio, da Unep e do Planeta Orgânico, já marcada para depois da apresentação dos resultados, a fim de traçarmos estratégias. O estudo tem impactos econômicos, sociais, educacionais... Já posso adiantar que Evandro Peçanha, diretor do Sebrae-RJ, está empenhado na continuação deste projeto com pilotos envolvendo o setor de turismo também. Quanto mais adesões, melhor!

Participam do Green Rio, no Jardim Botânico, o coordenador de Comercialização do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Pedro Bavaresco; o gerente de Agronegócio do Sebrae Nacional, Enio Queijada; o diretor do Sebrae RJ, Evandro Peçanha; o secretário estadual de Agricultura do Rio, Christino Áureo; o cônsul geral da Alemanha no Rio, Harald Klein; o presidente da Sociedade Nacional de Agricultura, Antonio Alvarenga; além de Maria Beatriz e Catalina Etcheverry, do Unep. O evento acontece nesta quarta e quinta-feira, das 10h às 18h, e é aberto ao público. Os interessados em participar podem se inscrever no local.

Publicado originalmente no O Globo

Parceiros